Era uma vez… [5]

Os contadores de história
Jessica Soares | Pra Ler

Cheguei a perguntar minha mãe, mas ela também não sabe ao certo – ninguém se lembra do primeiro livro que li. Algo facilmente explicável pelo fato de que, muito antes de aprender a juntar sílabas e formar palavras, as histórias já faziam parte dos meus dias.

Meus pais e tios sempre leram muito para mim. Os livros que contavam as aventuras de Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve e Cinderela eram divertidos, mas, nessa época, minhas histórias favoritas eram as inventadas. Também começavam com “Era uma vez…”, mas eram especiais porque eram contadas à noite, depois que minha mãe me mandava pra cama.

Supostamente seriam contos para me fazer dormir. Na prática, me despertavam. Eles dormiam muito antes de mim, é claro, algo que eu não perdoava. Acordava o contador de historia amador para que ele terminasse de inventar a história que haviam começado. Eventualmente notaram que eu dormiria mais rápido sem a história e desistiram de tentar achar enredos que me empolgassem menos. A contação de histórias acabou, mas aí apareceram os livros.

O primeiro livro que eu li é um grande mistério – mas um mistério que dificilmente daria muito trabalho para as células cinzentas do grande Poirot. Se a paixão por histórias é algo que veio dos tempos de berço, os livros de Agatha Christie foram os que primeiro despertaram a leitora compulsiva em mim, lá quando eu tinha uns 10 anos.

Tentava desvendar assassinatos e descobrir, antes do final, o grande culpado. Ter acertado algumas vezes foi o suficiente para despertar a detetive em mim. Resolvi desvendar, página a página, cada um dos vários livros que descobria em minha casa. Logo estes também se tornaram insuficientes, me fazendo buscar novos “contadores de histórias” em outros lugares. Ainda bem.

Jessica Soares

As páginas amareladas, a poeira da capa, o lugar escondido no armário em que esperava por ser desbravado – a história sempre teve início antes das palavras. Nunca pisei no solo de outro planeta. Mas, na falta de naves, aviões e ônibus de viagem, embarquei nas páginas dos livros, que nunca falharam em me levar para longe.