De Drummond

De DrummondBrandon Redfern / reprodução

31 de outubro é o Dia D, Dia de Drummond. Pelo menos é essa a ideia que o Instituto Moreira Salles (IMS) pretende emplacar. Aos moldes do Bloomsday, que comemora em 16 de junho, no mundo todo, o dia de James Joyce, o IMS quer que o Dia D passe a fazer parte do calendário cultural brasileiro. A escolha do dia se deve à data de aniversário de Carlos Drummond de Andrade, que este ano completaria 109 anos. O objetivo é promover e difundir a obra do poeta de Itabira.

O Dia D tem site próprio (www.diadrummond.com.br) e uma lista de atividades em todo o Brasil. Além da programação o site tem conteúdo especial, como o filme “Consideração do Poema”, produzido especialmente para a data. Nele, nomes importantes – atores, cantores, escritores, etc – leem poemas de Drummond. E não só artistas que podem fazer uma leitura do poeta e participar do Dia D. Admiradores da obra de Drummond podem enviar por e-mail seus próprios vídeos com leituras de poemas. O material resultará em um filme também. Mais um vídeo, também produzido pelo Instituto, está disponível no site. No meio do caminho (2010) conta com 11 versões em língua estrangeira do poema mais conhecido de Drummond.

[vimeo http://vimeo.com/31252975]

Dia D belorizontino

Em BH, o Dia D será comemorado na Livraria Mineiriana, que fica na Rua Paraíba, 1.419, Savassi. Lá, a partir das 19h, vai ter leitura de poemas de Carlos Drummond de Andrade com Adriana Versiani, Ana Martins, Carlos Ávila, Wilmar Silva, entre outros. O evento também vai contar com exposição de cartas, fotos e poemas do acervo de Afonso Ávila e da coleção da Biblioteca Pública de Minas Gerais. Ainda vai ser exibido durante todo o dia o vídeo “O fazendeiro do ar” (David Neves e Fernando Sabino, Brasil, 1974).

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=UP66vBqmiNE]

E aí, vamos ajudar a emplacar essa ideia?

#DiaD

Thais Marinho

Ainda são poucos os livros na minha estante e muitos na lista para serem lidos, mas a paixão por eles já está há muito tempo instalada. Hoje, cá estou, quase ex-jornalista, estudante de Letras, atualmente em terras hermanas, desbravando o argentinês e as literaturas hispano-americanas.