Quando a pauta vai pro palco…

Julia Marques | Pra Ler

– Esse personagem é novo. Na peça original não tinha ele, não.

Disse-me isso baixinho, apontando para um ator encaveirado que cantava no palco.

– Como você sabe? Você assistiu a original?
– Não. É que o diretor da peça me contou na entrevista.

Assistir a uma peça de teatro depois de fazer uma matéria sobre ela é isso: saber de algumas coisas antes de vê-las no palco. Pode parecer sem graça, mas não é, acredite. Eu me explico. Quando essas coisas acontecem a gente entende o quanto uma narrativa jornalística pode ser mesmo incompleta. Afinal, o que nós vimos ali se parecia em muita coisa com a entrevista que vocês vão ouvir na próxima quinta-feira. Mas apenas se parecia. O real é bem maior, e dança no palco.

Ontem, eu e o Victor Vieira batemos ponto no Teatro da Cidade, às 20:30h, para assistir à peça “Morte e Vida Severina”, dirigida por Pedro Paulo Cava. O grande detalhe dessa história é que o Victor tinha entrevistado o Pedro há poucos dias, exatamente sobre a peça em cartaz. E quem fez a apuração inicial e o roteiro da entrevista fui eu.

Ficamos sabendo como Pedro Paulo Cava estava se preparando para apresentar o texto Morte e Vida Severina nos palcos de BH. O auto de João Cabral de Melo Neto já virou peça de teatro muito antes, mas, na entrevista, Pedro nos explicou que dessa vez ia trazer algumas novidades nos personagens, músicas e cenários. Falou também de como é apresentar um texto literário no teatro e misturar isso tudo com música. Fomos assistir com essas informações na cabeça e algumas expectativas sobre a peça.

Saber que o que vira matéria no rádio não dá conta de nem 1% do que acontece ali, na hora, é fundamental para reduzir o nosso nível de angústia. Se a gente tivesse a pretensão de falar de tudo no mundo, passaríamos aperto pra colocar no Pra Ler as expressões dos atores, a interpretação do texto e a sensação de estar ali. A experiência se sobressai, ainda bem.

E o real nos atravessou mais uma vez na saída. O diretor da peça estava lá. Dessa vez, não só uma voz apressada ao telefone. De carne e osso, Pedro Paulo Cava andava pelos corredores do teatro. Passamos despercebidos por ele, gozando a ampla vantagem do anonimato no rádio. E atravessamos a porta de saída do Teatro da Cidade com um tanto mais de Morte e Vida Severina em nós.

O convite a essa experiência está feito. A ordem dos fatores, como vocês viram, pode alterar o produto, mas garantimos que, de qualquer forma, ele é muito bom. Então, ouça a entrevista com o diretor Pedro Paulo Cava, sobre a peça Morte e Vida Severina, no programa 19, que vai ao ar nessa quinta-feira às 16:15h na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM) e também é disponibilizado na íntegra aqui no blog.

Assista à peça, em cartaz até 11 de dezembro no Teatro da Cidade, em Belo Horizonte. Ah, e, depois volte aqui, pra contar o que você achou!

Julia Marques

Julia Marques

Quando era bem pequena resolvi escrever um livro. Era a história de um barquinho que perdeu o rumo no mar. Desde então, minha relação com a literatura vem em ondas: às vezes bate forte, sacudindo tudo. Outras vezes sossega. Encontrei no Pra Ler o sopro para essa aventura. Meu barquinho infantil segue cambaleando por esse mar de histórias, personagens, e cenários. Talvez um dia ele aviste um porto.
Julia Marques