Tipos móveis? Não, bytes

Tipos móveis? Não, bytespraler | Pra Ler

Curiosamente, Johannes Gutenberg, aquele que, no século XV, revolucionou o processo de impressão, foi a inspiração para o nome de um projeto que disponibiliza livros eletrônicos. O Projeto Gutenberg surgiu em 1971, muitos anos antes de existir leitores digitais, quando Michael Hart, fundador do projeto, decidiu copiar a Declaração da Independência dos Estados Unidos em um computador e distribuí-la para outros usuários. Hoje são mais de 38 mil obras em mais de 40 idiomas disponibilizadas gratuitamente. A proposta é conhecida como a primeira e a maior coleção de livros eletrônicos gratuitos do mundo.

O objetivo do Projeto Gutenberg é encorajar a criação e distribuição legal de livros eletrônicos. A intenção final é ousada: o acesso gratuito da humanidade aos livros que marcaram a história da literatura.

Todas as obras disponibilizadas no site Gutenberg já caíram em domínio público de acordo com as leis dos Estados Unidos e já foram impressas por editoras tradicionais, em algum momento. O projeto conta com doações, seja de dinheiro, seja de mão de obra. Milhares de voluntários se prontificam a digitalizar ou revisar os livros. Algumas centenas de obras em português, por exemplo, estão esperando para serem revisadas por alguma boa alma.

Thais Marinho

Ainda são poucos os livros na minha estante e muitos na lista para serem lidos, mas a paixão por eles já está há muito tempo instalada. Hoje, cá estou, quase ex-jornalista, estudante de Letras, atualmente em terras hermanas, desbravando o argentinês e as literaturas hispano-americanas.