O corvo estreia nos cinemas

O corvo estreia nos cinemasRedd Angelo / unsplash

“Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de algúem que batia levemente a meus umbrais.
‘Uma visita’, eu me disse, ‘está batendo a meus umbrais.
É só isto, e nada mais’”

Em 1845, Edgar Allan Poe publicava pela primeira vez o poema O Corvo e consolidava sua reputação de escritor em Nova York. O poema foi traduzido para vários idiomas e deu trabalho para os tradutores, que se desdobraram para preservar a estrutura rítmica e sonora de Poe. Machado de Assis foi quem se aventurou na versão em português.

Em 1949, quatro anos depois, Edgar Allan Poe é encontrado delirando, com roupas que não eram suas, pelas ruas de Baltimore, nos Estados Unidos. Sem falar nada com nada, o escritor foi levado a um hospital, onde morreu quatro dias depois. Há quem diga que suas últimas palavras foram: “está tudo acabado: escrevam Eddy já não existe”.

Não menos estranho do que a morte de Poe é o filme O Corvo, de James McTeigue, que estreia hoje no Brasil. O longa faz referência ao poema homônimo apenas no título, já o enredo cria uma versão para a morte do escritor. O Corvo narra os últimos dias de vida de Poe, mas com uma peculiaridade. Um detetive recruta o escritor para ajudá-lo a desvendar a identidade do autor de diversos assassinatos – o que pode ser uma referência às mortes descritas nas obras de Poe.

Confira o trailer do filme:

Vimos na Folha de São Paulo