[Bienal do Livro de Minas] Rapidinha com Carpinejar

[Bienal do Livro de Minas] Rapidinha com CarpinejarBrandon Redfern / reprodução

Dos pais, Maria Carpi e Carlos Nejar, ele herdou o sobrenome. Muito mais do que isso: herdou o gosto por contar histórias. O poeta gaúcho Fabrício Carpinejar esteve, no último domingo, dia 20, no Café Literário da Bienal do Livro de Minas para um bate-papo ao lado de Roberto Pompeu de Toledo. O assunto não podia ser outro: poesia.

Antes do Café, o Pra ler trocou algumas palavras com ele. A entrevista, curtinha, você confere aqui:

Até o dia 27, o café Literário da Bienal do Livro de Minas recebe convidados muito especiais, Hoje, dia 21, é a vez de Maria Eugênia Dias de Oliveira e Ninfa Parreiras prestarem uma homenagem ao escritor mineiro Bartolomeu Campos de Queiróz. Acompanhe a cobertura da Bienal do Livro de Minas pelo Pra Ler.

Julia Marques

Julia Marques

Quando era bem pequena resolvi escrever um livro. Era a história de um barquinho que perdeu o rumo no mar. Desde então, minha relação com a literatura vem em ondas: às vezes bate forte, sacudindo tudo. Outras vezes sossega. Encontrei no Pra Ler o sopro para essa aventura. Meu barquinho infantil segue cambaleando por esse mar de histórias, personagens, e cenários. Talvez um dia ele aviste um porto.
Julia Marques