O livro de Milton Hatoum que ninguém nunca leu

O livro de Milton Hatoum que ninguém nunca leuDylan Luder / unsplash

A história inspirada na vida estudantil da Universidade de São Paulo virou cinzas. O ano era 1980, numa noite fria do inverno espanhol. Milton Hatoum já havia finalizado e revisado a obra, mas não hesitou em jogar Brasileiros perdidos por aí na lareira de seu apartamento. O livro foi escrito durante sua passagem pela Espanha, nos intervalos entre os estudos e o trabalho. A bolsa que ganhou para estudar em uma instituição espanhola foi uma boa oportunidade. Milton Hatoum queria sair do Brasil para escrever livros de ficção. Escreveu, mas não gostou.

Depois de reler e revisar o texto, decidiu que ele não era nem de longe um romance. Faltava tudo. Personagens consistentes, conflito, voz narrativa… E as 245 páginas foram queimadas sem mais ninguém ter lido.”O manuscrito que virou cinzas talvez um dia reapareça com outra linguagem. Mas aí terão passado mais de três décadas: o tempo propício para transformar o passado em ficção”, disse à coluna “Meu erro”, da revista Época. Para ler o depoimento completo clique aqui.

Vimos na revista Época