Labirinto de livros

aMAZEme é um enorme labirinto formado por 250 mil livros
Labirinto de livrosDylan Luder / unsplash

“Siempre imaginé que el Paraíso sería algún tipo de biblioteca”, disse certa vez o escritor argentino Jorge Luis Borges. Quem já se perdeu viajando pelas páginas de um livro sabe que o contrário pode muito bem ser verdade: bibliotecas são, para muitos de nós, um tipo de paraíso. Talvez para tornar essa sensação mais palpável, os brasileiros Marcos Saboya e Gualter Pupo criaram o aMAZEme.

 

O nome – que resulta da combinação das palavras inglesas maze (labirinto) e amaze (maravilhar) – é auto-explicativo. aMAZEme é um enorme labirinto formado por 250 mil livros, que cobriu 500 metros quadrados do Southbank Centre, em Londres, entre os últimos dias 31 de julho a 25 de agosto. A grande fortaleza literária foi construída com ajuda de voluntários em julho e, em seu interior, apresenta ainda telas que exibem imagens e citações de livros.

 

A expectativa dos artistas, segundo o site My Modern Met, era estimular o público a descobrir novas texturas, imagens e emoções através de uma imersão no paraíso dos livros. Mas, além de propor um passeio literário por entre as paredes de 2,5 metros de altura, a obra presta uma homenagem direta a Borges: não só faz referência ao labirinto, figura que aparece recorrentemente na literatura do argentino, como reproduz ainda o formato da peculiar impressão digital do escritor.

Ao final da instalação, os visitantes foram convidados a levarem quaisquer dos livros, novos ou usados, para casa.

 

Com informações do My Modern Met.
Imagens de Peter MacDiarmid/Getty Images via Giornalettismo

Jessica Soares

As páginas amareladas, a poeira da capa, o lugar escondido no armário em que esperava por ser desbravado – a história sempre teve início antes das palavras. Nunca pisei no solo de outro planeta. Mas, na falta de naves, aviões e ônibus de viagem, embarquei nas páginas dos livros, que nunca falharam em me levar para longe.