O Mistério do Fugitivo das Sete Faces

O Mistério do Fugitivo das Sete FacesDylan Luder / unsplash

Ainda faltam cinco dias para o aniversário de Agatha Christie, mas as comemorações já começaram. E não há forma melhor de celebrar os 122 anos de nascimento da rainha do crime do que com um jogo recheado de mistérios. Ontem, dia 9, foi dada a largada para The Mystery Man (O Homem Misterioso, em tradução livre), jogo organizado pela Agatha Christie Ltd, organização que gerencia os direitos das obras da autora em todo o mundo.

Esta é a segunda vez que a ação será realizada. Em 2011, o homem misterioso tinha sequestrado oito personagens das obras de Christie e os fãs da autora tinham que identificar as vítimas. Em 2012, o mistério é outro.

Atrás do fugitivo

The Mystery Man está fugindo da lei e viajou para o exterior utilizando sete identidades falsas. A missão dos fãs é descobrir quem é o criminoso. Desde o dia 9, pistas estão sendo espalhadas no twitter @QueenOfCrime. A cada dia o misterioso fugitivo se esconderá em um país diferente. A partir das pistas, do Christie Maps e do seu conhecimento do universo de Agatha Christie, claro, você deverá descubrir o local onde ele está e qual a identidade falsa que está usando. Depois de encontrar todas as sete faces do criminoso, você terá todas as informações para desvendar sua identidade verdadeira.

Quando souber quem é o homem misterioso, mande um e-mail para competitions@agathachristie.com. As respostas podem ser enviadas até dia 24 de setembro. Após o fim do prazo, um dos jogadores será sorteado e o detetive-ganhador levará cinco livros da rainha do crime a sua escolha, todos traduzidos para o seu idioma (ou em inglês, caso as traduções não existam).

E aí, animado para participar da caçada ao homem misterioso? As pistas já começaram a ser lançadas, mas ainda dá tempo de entrar no jogo. Para te dar uma mãozinha, a primeira dica foi: “A place the scientists have been going” ou, no bom português, “Um lugar que os cientistas têm frequentado”. Boa sorte!

Thais Marinho

Ainda são poucos os livros na minha estante e muitos na lista para serem lidos, mas a paixão por eles já está há muito tempo instalada. Hoje, cá estou, quase ex-jornalista, estudante de Letras, atualmente em terras hermanas, desbravando o argentinês e as literaturas hispano-americanas.