A Loja de Histórias

A Loja de HistóriasDylan Luder / unsplash

Em seu interior, nada de prateleiras ou produtos à venda – lá, tudo funciona pela troca. Loja de Histórias é o nome do projeto colaborativo criado pelo escritor Pedro Fonseca. Sua proposta é simples: cada visitante envia pelo site uma foto de um momento, passagem ou paisagem – não importa a temática, nem o onde, nem o quando e muito menos o porquê. O escritor cria então, a partir da imagem, contos e histórias que, ao invés de tentar desvendar os momentos retratados, dão a eles novos significados, cenários e ambientações.

Os visitantes emprestam uma fração do real, ele devolve um pedacinho de ficção – uma proposta que, em si, já é cheia de poesia. A finalidade? “Treinar o olhar (o seu) e o verbo (o meu). Unir os dois. Que a sua imagem valha mais que mil palavras, que as minhas palavras provoquem imagens. Eis o desafio”, explica o autor no site.

Confira abaixo parte da vitrine da Loja literária. Clique nas imagens para ler o conto completo:


– Após o sinal, deixe o seu recado.
Bruna, sou eu. Tô saindo de casa, vou entrar no Ibira para cortar caminho. Tentei te ligar duas vezes, enviei sms, você viu? Seguinte. Eu não vou deixar você ir, você não pode viajar. Porra de Maldivas, porra de temporada sabática. Escuta essa mensagem até o fim, Bruna, escuta. (…)


Todo.

Florianópolis.
Pode ser.
Pode ser? Você diz não de um jeito muito engraçado.
Falei pode ser, ué. Pode ser e pode não ser. Acho legal, mas tem outra ideia?
Eu que pergunto. Tem?
Vitória, Espírito Santo.
Outra.
Hã? (…)


Berlim, Caruaru.
A última migração humana de tal magnitude que se tem notícia trata do deslocamento de alemães, numa ruptura marcante na estrutura organizacional da sociedade antiga, que àquela altura adentrara, ainda que de forma despropositada, na Idade Média.
– Professor, os alemães não são todos filósofos? (…)

Continue passeando pela Loja de Histórias.

Quem quiser acompanhar outras aventuras literárias de Pedrinho, pode conferir também o blog Linhas Tortas.

Vimos no Follow the colours.

Jessica Soares

As páginas amareladas, a poeira da capa, o lugar escondido no armário em que esperava por ser desbravado – a história sempre teve início antes das palavras. Nunca pisei no solo de outro planeta. Mas, na falta de naves, aviões e ônibus de viagem, embarquei nas páginas dos livros, que nunca falharam em me levar para longe.