Leis da Robótica

Leis da RobóticaDylan Luder / unsplash

Três leis regem o comportamento dos robôs e nos mantêm a salvo de uma rebelião das máquinas. Pelo menos nas obras de Isaac Asimov. O escritor, que nasceu na Rússia, em 1920, e viveu nos Estados Unidos desde os três anos de idade, é originalmente formado em bioquímica, mas dedicou praticamente toda sua vida à ficção científica. Ao todo escreveu 463 livros no gênero.

As Leis da Robótica aparecem pela primeira vez no livro Eu, Robô, em 1950. No vídeo abaixo, o escritor ainda jovem explica as três leis:

O objetivo das leis era tornar possível a existência de robôs inteligentes, sem que isso significasse uma ameaça à raça humana. Mais tarde Asimov criou, em Os Robôs do Amanhecer (1983), a Lei Zero: um robô não pode causar mal à humanidade ou, por omissão, permitir que a humanidade sofra algum mal.

As regras criadas por Asimov foram utilizadas – total ou parcialmente – em diversas outras obras de ficção. Por exemplo, Robocop (1987), em que a empresa OCP imprime diretrizes de segurança baseadas nas Três Leis no protótipo que dá nome à obra.

Vimos em The New Yorker, com informações de Open Culture

Thais Marinho

Ainda são poucos os livros na minha estante e muitos na lista para serem lidos, mas a paixão por eles já está há muito tempo instalada. Hoje, cá estou, quase ex-jornalista, estudante de Letras, atualmente em terras hermanas, desbravando o argentinês e as literaturas hispano-americanas.