Roleta-russa literária

Roleta-russa literáriaDylan Luder / unsplash

Alguns dirão que as tecnologias estão matando os sebos. Que as comodidades dos livros digitais, das compras pela internet, estão assassinando friamente o bucólico ato de ir a uma loja de livros usados, passear pelas prateleiras a procura de nada em específico e, ainda sim, encontrar exatamente o que se quer. Talvez sim, talvez não, é complexo dar um veredito. Mas uma coisa é certa: se a tecnologia pode ser o algoz dos costumes tradicionais, também pode ser o atrativo para que um novo público desfrute dos prazeres “old school”.

Prova disso é a vending-machine de livros criada pelo canadense dono de sebo, Stephen Fowler, e seu amigo Craig Small. Juntos, eles desenvolveram a Biblio-Mat, um equipamento semelhante às bibliotecas self-service que você já viu aqui no Pra Ler, mas com uma diferença (além de ser muito mais estilosa, claro): ela vende livros de forma aleatória. Você coloca dois dólares, espera alguns segundos e tem uma surpresa em forma de livro. Como toda surpresa, pode ser agradável ou não. A invenção fica em Toronto, no sebo The Monkey’s Paw, mas bem que poderia ser replicada em alguns lugares por aqui… E aí, você arriscaria jogar essa roleta-russa literária?

Vimos no Flavorwire

Ennio Rodrigues

Adoro as mais improváveis viagens que se pode imaginar a partir de um texto, até as divergentes. Não sou leitor precoce, mas tenho uma ótima arma: curiosidade. D’O Guia do Mochileiro das Galáxias ao Machado. Foi um amigo que disse certa vez e concordo: “nem que passasse a vida inteira a ler, terminaria todos os Clássicos! Em vez disso, prefiro apenas tentar encontrar livros que me tirem do lugar”.