O pássaro e a bailarina

O pássaro e a bailarinaDylan Luder / unsplash

Uma bailarina em busca de liberdade – no curta The Me Bird, esta é a interpretação para o pássaro do poema de mesmo nome, escrito pelo Nobel poeta chileno Pablo Neruda.

No vídeo, criado pelo estúdio brasileiro de design, animação e motion graphics 18bis, a repetição de camadas representa o passado de nossos movimentos e ações. As molduras são jaulas, que, junto com o passado, se apresentam como um fardo da bailarina, e servem de pano de fundo para a jornada. Nas palavras da empresa, “através de variada experimentação artística, recria-se a tormenta que conecta pássaro e dançarina”.

The Me Bird

I am the Pablo Bird,
bird of a single feather,
a flier in the clear shadow
and obscure clarity,
my wings are unseen,
my ears resound
when I walk among the trees
or beneath the tombstones
like an unlucky umbrella
or a naked sword,
stretched like a bow
or round like a grape,
I fly on and on not knowing,
wounded in the dark night,
who is waiting for me,
who does not want my song,
who desires my death,
who will not know I’m arriving
and will not come to subdue me,
to bleed me, to twist me,
or to kiss my clothes,
torn by the shrieking wind.

That’s why I come and go,
fly and don’t fly but sing:
I am the furious bird
of the calm storm.

Vimos no Open Culture

Thais Marinho

Ainda são poucos os livros na minha estante e muitos na lista para serem lidos, mas a paixão por eles já está há muito tempo instalada. Hoje, cá estou, quase ex-jornalista, estudante de Letras, atualmente em terras hermanas, desbravando o argentinês e as literaturas hispano-americanas.